Norma de Ergonomia NR 17

Entenda a Norma da Ergonomia

O termo ergonomia vem sendo cada vez mais utilizado no mundo corporativo. Muitas empresas já perceberam que implantar a ergonomia no ambiente de trabalho é uma verdadeira estratégia para aumentar a produtividade e alcançar melhores resultados.

A palavra ergonomia origina-se dos termos grego “ergon” que significa “trabalho” e “nomos”, que significa “regras ou normas”. Portanto, é a ciência que busca compreender o ambiente de trabalho, o perfil dos colaboradores e o tipo de atividade exercida para traçar as condições adequadas para execução das tarefas laborais. Dessa forma, o ambiente de trabalho terá as condições adequadas para que o funcionário desempenhe suas funções com saúde e segurança. E assim, consequentemente, haverá uma maior produtividade. Além disso, através da implantação da ergonomia a empresa estará cumprindo a lei, pois existe uma norma específica exigida e fiscalizada pelo Ministério do Trabalho.

 

Qual é a norma da ergonomia?

A norma regulamentadora número 17, ou apenas  NR-17, é considerada a norma da ergonomia. Depois de um aumento exorbitante no número de casos de doenças ocupacionais no país, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) percebeu a relação dessa alta incidência com a falta de condições adequadas no ambiente de trabalho.  E assim, em conjunto com entidades trabalhistas, criou a NR-17.

Quais são os objetivos?

A norma tem como objetivo principal, assegurar que o trabalhador tenha as condições necessárias e adequadas a execução de suas tarefas. Assim, o ambiente de trabalho se torna seguro, confortável e contribui para a prevenção de doenças ocupacionais como por exemplo a DORT e distúrbios psicológicos (estresse, depressão e ansiedade).

O que diz a norma? Quais são as exigências?

A NR-17 exige que o empregador faça uma análise ergonômica do trabalho (AET). Ela tem a finalidade de analisar os riscos ergonômicos do posto de trabalho e propor soluções ergonômicas no intuito de reduzir ou extinguir o risco existente, propiciando uma melhor realização das tarefas laborais e melhor condição do ambiente de trabalho ao colaborador.

A AET deve conter aspectos que descrevam as condições de trabalho nas seguintes atividades e nos seguintes aspectos:

  • Levantamento, transporte e descarga individual de materiais;
  • Mobiliário dos postos de trabalho;
  • Equipamentos dos postos de trabalho;
  • Condições ambientais de trabalho;
  • Organização do trabalho.

A NR-17 conta com dois anexos que tratam de áreas de trabalho específicas:

  • Anexo I: trabalho dos operadores de checkout
  • Anexo II: trabalho em teleatendimento/telemarketing

Mobiliário dos postos de trabalho ergonômicos NR 17

17.1 – Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.

17.3. Mobiliário dos postos de trabalho:

17.3.1. Sempre que o trabalho puder ser executado na posição sentada, o posto de trabalho deve ser planejado ou adaptado para esta posição.

17.3.2. Para trabalho manual sentado ou que tenha de ser feito em pé, as bancadas, mesas, escrivaninhas e os painéis devem proporcionar ao trabalhador condições de boa postura, visualização e operação e devem atender aos seguintes requisitos mínimos:

a) ter altura e características da superfície de trabalho compatíveis com o tipo de atividade, com a distância requerida dos olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento;

b) ter área de trabalho de fácil alcance e visualização pelo trabalhador;

c) ter características dimensionais que possibilitem posicionamento e movimentação adequados dos segmentos corporais.

17.3.2.1. Para trabalho que necessite também da utilização dos pés, além dos requisitos estabelecidos no subitem 17.3.2, os pedais e demais comandos para acionamento pelos pés devem ter posicionamento e dimensões que possibilitem fácil alcance, bem como ângulos adequados entre as diversas partes do corpo do trabalhador, em função das características e peculiaridades do trabalho a ser executado.

Conheça nossa linha de mobiliário certificado

 

17.3.3. Cadeiras

17.3.3. Os assentos utilizados nos postos de trabalho devem atender aos seguintes requisitos mínimos de conforto:

a) altura ajustável à estatura do trabalhador e à natureza da função exercida;

b) características de pouca ou nenhuma conformação na base do assento;

c) borda frontal arredondada;

d) encosto com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar.

Conheça abaixo alguns modelos de cadeiras ergonômicas que atendem a NR 17:​

ANEXO I

TRABALHO DOS OPERADORES DE CHECKOUT

2.1. Em relação ao mobiliário do checkout e às suas dimensões, incluindo distâncias e alturas, no posto de trabalho deve-se:

a) atender às características antropométricas de 90% dos trabalhadores, respeitando os alcances dos membros e da visão, ou seja, compatibilizando as áreas de visão com a manipulação;

b) assegurar a postura para o trabalho na posição sentada e em pé, e as posições confortáveis dos membros superiores e inferiores, nessas duas situações;

c) respeitar os ângulos limites e trajetórias naturais dos movimentos, durante a execução das tarefas, evitando a flexão e a torção do tronco;

d) garantir um espaço adequado para livre movimentação do operador e colocação da cadeira, a fim de permitir a alternância do trabalho na posição em pé com o trabalho na posição sentada;

e) manter uma cadeira de trabalho com assento e encosto para apoio lombar, com estofamento de densidade adequada, ajustáveis à estatura do trabalhador e à natureza da tarefa;

f) colocar apoio para os pés, independente da cadeira;

g) adotar, em cada posto de trabalho, sistema com esteira eletro-mecânica para facilitar a movimentação de mercadorias nos checkouts com comprimento de 2,70 metros ou mais;

h) disponibilizar sistema de comunicação com pessoal de apoio e supervisão;

i) manter mobiliário sem quinas vivas ou rebarbas, devendo os elementos de fixação (pregos, rebites, parafusos) ser mantidos de forma a não causar acidentes.

 

Conheça abaixo alguns modelos de cadeiras ergonômicas para checkout:

ANEXO II

TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING

2. MOBILIÁRIO DO POSTO DE TRABALHO:

2.1. Para trabalho manual sentado ou que tenha de ser feito em pé deve ser proporcionado ao trabalhador mobiliário que atenda aos itens 17.3.2, 17.3.3 e 17.3.4 e alíneas, da Norma Regulamentadora n.º 17 (NR 17) e que permita variações posturais, com ajustes de fácil acionamento, de modo a prover espaço suficiente para seu conforto, atendendo, no mínimo, aos seguintes parâmetros:

a) o monitor de vídeo e o teclado devem estar apoiados em superfícies com mecanismos de regulagem independentes;

b) será aceita superfície regulável única para teclado e monitor quando este for dotado de regulagem independente de, no mínimo, 26 (vinte e seis) centímetros no plano vertical;

c) a bancada sem material de consulta deve ter, no mínimo, profundidade de 75 (setenta e cinco) centímetros medidos a partir de sua borda frontal e largura de 90 (noventa) centímetros que proporcionem zonas de alcance manual de, no máximo, 65 (sessenta e cinco) centímetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em posição de trabalho;

d) a bancada com material de consulta deve ter, no mínimo, profundidade de 90 (noventa) centímetros a partir de sua borda frontal e largura de 100 (cem) centímetros que proporcionem zonas de alcance manual de, no máximo, 65 (sessenta e cinco) centímetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em posição de trabalho, para livre utilização e acesso de documentos;

e) o plano de trabalho deve ter bordas arredondadas;

f) as superfícies de trabalho devem ser reguláveis em altura em um intervalo mínimo de 13 (treze) centímetros, medidos de sua face superior, permitindo o apoio das plantas dos pés no piso;

g) o dispositivo de apontamento na tela (mouse) deve estar apoiado na mesma superfície do teclado, colocado em área de fácil alcance e com espaço suficiente para sua livre utilização;

h) o espaço sob a superfície de trabalho deve ter profundidade livre mínima de 45 (quarenta e cinco) centímetros ao nível dos joelhos e de 70 (setenta) centímetros ao nível dos pés, medidos de sua borda frontal;

i) nos casos em que os pés do operador não alcançarem o piso, mesmo após a regulagem do assento, deverá ser fornecido apoio para os pés que se adapte ao comprimento das pernas do trabalhador, permitindo o apoio das plantas dos pés, com inclinação ajustável e superfície revestida de material antiderrapante; 

 

Conheça abaixo o modelo de Call Center Ergonômico que atendem a NR 17:​

CADEIRAS PARA CALL CENTER

j) os assentos devem ser dotados de:

1. apoio em 05 (cinco) pés, com rodízios cuja resistência evite deslocamentos involuntários e que não comprometam a estabilidade do assento;

2. superfícies onde ocorre contato corporal estofadas e revestidas de material que permita a perspiração;

3. base estofada com material de densidade entre 40 (quarenta) a 50 (cinqüenta) kg/m3;

4. altura da superfície superior ajustável, em relação ao piso, entre 37 (trinta e sete) e 50 (cinquenta) centímetros, podendo ser adotados até 03 (três) tipos de cadeiras com alturas diferentes, de forma a atender as necessidades de todos os operadores;

5. profundidade útil de 38 (trinta e oito) a 46 (quarenta e seis) centímetros;

6. borda frontal arredondada;

7. características de pouca ou nenhuma conformação na base;]

8. encosto ajustável em altura e em sentido antero-posterior, com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar; largura de, no mínimo, 40 (quarenta) centímetros e, com relação aos encostos, de no mínimo, 30,5 (trinta vírgula cinco) centímetros;

9. apoio de braços regulável em altura de 20 (vinte) a 25 (vinte e cinco) centímetros a partir do assento, sendo que seu comprimento não deve interferir no movimento de aproximação da cadeira em relação à mesa, nem com os movimentos inerentes à execução da tarefa.

Conheça abaixo alguns modelos de cadeiras ergonômicas que atendem a NR 17 para Call Center:​

Conclusão

Com o investimento em ergonomia dentro das empresas, o colaborador ganha com bem estar corporativo e a empresa em produtividade, lucratividade, diminuição dos índices de doenças ocupacionais, absenteísmo e gastos com afastamentos médicos. A corporação trabalha ainda sua imagem perante a sociedade, clientes e funcionários, demonstrando que cuida e se importa com sua equipe. Isto gera assim, mais satisfação e motivação para as equipes.

Fonte: NR 17 – ERGONOMIA / Beecorp 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × um =

WhatsApp chat